Tesouro dos EUA aplica sanções a empresas Russas de mineração de criptomoedas

Marcos Souza
Marcos Souza
Biden e Putin
Biden e Putin

O Departamento do Tesouro dos EUA anunciou um novo pacote de sanções contra empresas Russas que operam no mercado de mineração de criptomoedas. As novas sanções se juntam as anteriores impostas à Rússia em decorrência da guerra que ocorre na Ucrânia.

Todavia, o anúncio nomeia entidades corporativas envolvidas na mineração de criptomoedas em larga escala na Rússia.

O raciocínio por trás desta ação é que essas fazendas de mineração ajudam a Rússia a monetizar seus vastos recursos energéticos naturais, dando ao país sancionado uma fonte estável de renda financeira.

Além disso, quando os baixos custos de energia são combinados com o clima frio da Rússia, o país se torna ideal para a mineração de moedas, tendo uma “vantagem injusta” sobre outros mercados.

- Propaganda -

De acordo com dados de 2021 da Universidade de Cambridge, a Rússia representou 11,23% da participação global da taxa de hash do Bitcoin, tornando-se a terceira maior mineradora do mundo, depois dos EUA e do Cazaquistão.

BitRiver e subsidiárias atingidas

A empresa de mineração cripto mais notável atingida pelo mais recente pacote de sanções dos EUA é a BitRiver, fundada na Rússia em 2017 por Igor Runets, atual CEO da empresa.

Runets também é vice-presidente da Associação Russa de Criptomoedas e Blockchain e presidente de mineração na Câmara de Comércio e Indústria da Federação Russa.

Embora a empresa tenha mudado todos os seus ativos de propriedade legal para a Suíça em 2021, ela ainda é operada a partir de três escritórios na Rússia, e suas fazendas de mineração estão localizadas em todo o país.

A holding suíça, Bitriver AG, também possui ou controla outras 10 subsidiárias, a:

  1. Management Company Bitriver
  2. Bitriver Rus
  3. Everest Grup
  4. Siberskie Mineraly
  5. Tuvaasbest
  6. Torgovy Dom Asbest
  7. Rio Bitriver-B
  8. Bitriver-K
  9. Rio Bitriver-Norte
  10. Bitriver-Turma

Todas às dez entidades foram incluídas no último pacote de sanções, portanto não poderão atuar como canais alternativos para evitar sanções.

Posteriormente, a BitRiver emitiu a seguinte declaração do CEO da empresa, Igor Runets, que diz que as sanções são destinadas a inclinar o equilíbrio para as operações nos EUA:

Na quarta-feira, 20 de abril, a lista de sanções do Departamento do Tesouro dos EUA incluiu uma empresa privada, a BitRiver, que nunca prestou serviços a instituições do governo russo e não trabalhou com clientes já alvo das sanções de Washington.

Essas ações dos EUA devem obviamente ser vistas como interferência na indústria de mineração de criptomoedas, concorrência desleal e uma tentativa de mudar o equilíbrio global de poder em favor das empresas americanas.

A BitRiver, como uma das maiores operadoras de data center da Eurásia, continuará a expandir e implementar projetos de investimento em regiões russas que são adequadas para a operação de equipamentos intensivos em energia.

Implicações de sanções

As fazendas de mineração podem continuar a operar na Rússia, mas não poderão legalmente fornecer hardware de empresas ocidentais, o que deve prejudicar sua atividade a tempo.

Além disso, transações financeiras ou investimentos de indivíduos americanos com as entidades sancionadas serão proibidos.

Porém, apenas a BitRiver e suas dez subsidiárias tenham sido restringidas desta vez, este movimento marca o início de várias rodadas de restrições esperadas para atingir empresas de mineração na Rússia.

Como tal, os obstáculos práticos e empresariais vão superar em muito os benefícios econômicos.

Devido a enxorada de sanções a Microsoft suspendeu novas vendas na Rússia.

Contudo, você acredita que este novo pacote de sanções contra empresas Russas de criptomoedas imposta pelos EUA vão acabar com a guerra?

Compartilhe este artigo
Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

adbanner