BETA ALIA: Avião Elétrico viaja mais de 2200 km

Marcos Souza
Marcos Souza
Avião Elétrico Alia da Beta Tecnologies
Avião Elétrico Alia da Beta Tecnologies

No final do último mês, Maio de 2022, o avião elétrico Alia da Beta Technologies decolou do Aeroporto Internacional de Plattsburgh, no leste de Nova York, perto do Lago Champlain. De lá, voou para oeste e sul. Ele pousou e decolou novamente mais duas vezes em Nova York, e depois voou para Akron, Ohio no dia seguinte. Depois de sete paradas (pernas de voo) no total, ele finalmente pousou na segunda-feira, 30 de maio, em Bentonville, Arkansas, completando uma jornada de 1.403 milhas (2257 km).

O Avião Elétrico ✈ Alia e a Beta Tecnologies

O avião se chama Alia, e foi criado pela Beta Technologies, uma startup de aviação com sede em Burlington, Vermont. Uma única hélice, alimentada por dois motores elétricos, dá-lhe seu impulso através do ar. A aviação elétrica está em sua infância em comparação com a aviação convencional movida a combustível de aviação, e a crescente indústria — que inclui outras empresas como Joby, Wisk, Kitty Hawk, Archer — geralmente se concentrou na ideia de usar aeronaves elétricas como táxis aéreos, como ubers no céu, para viagens pelas cidades.

Com esta série mais longa de voos, o CEO da Beta, Kyle Clark, diz que eles queriam mostrar que aeronaves como essas podem ser mais que apenas um veículo para o transporte local.

Acho que com esse tipo de voo, em um nível muito alto, mudamos a imagem do que é aviação elétrica

- Propaganda -

Detalhes sobre o voo do avião elétrico ✈ Alia

Depois da parada em Akron em Ohio, voou para Springfield também em Ohio, depois seguiu para as seguintes localidades Bloomington em Indiana, Missouri, e por fim Arkansas. As pernas de voo variaram entre 255 a 339 km, e tiveram um tempo médio de voo de cerca de 88 minutos. Ao todo, durante os oito dias que a missão durou, a aeronave ficou no ar por quase 12 horas.
Mais informações sobre os voos você pode acessar o histórico de voo do Avião ✈ N250UT no site FlightAware

Dois pilotos da Beta revezaram-se pilotando a aeronave: Lochie Ferrier e Camron Guthrie. O piloto que não pilotava o avião elétrico Alia da Beta para cada perna de voo assumiu os controles de um avião ✈ Caravan Cessna que funcionava como um avião de perseguição.

Guthrie, um dos pilotos da missão envolvendo a aeronave elétrica da Beta Tecnologies, observa que a viagem os levou através de “áreas realmente sonolentas” do país, atraindo espectadores. “As pessoas só saíram para ver o pessoal de Vermont e sua nave espacial”, diz ele. Em Ohio, o pouso rendeu um artigo no Springfield News-Sun sobre a aeronave, que chegou ao Aeroporto Municipal de Springfield-Beckley em 24 de maio. O site Electric VTOL News informou anteriormente sobre parte da viagem da aeronave.

Atraso na viagem devido ao mau tempo

A viagem também incluiu um atraso devido ao mau tempo em Ohio. Após pousar em Springfield na terça-feira, 24 de maio, ele só decolou no sábado, 28 de maio, quando voou para Indiana. A jornada de várias pernas de voo foi uma chance para testes no mundo real de um novo tipo de aeronave. “Encontramos o tempo, operamos fora de locais austeros, testamos nossa rede de recarga”, diz Guthrie. “Há muitas coisas que aprendemos sobre nosso design que vamos colocar de volta no funil.”

Rede de carregamento para aviões elétricos

Sobre a rede de carregamento: Uma aeronave elétrica produz zero emissões de escapamento durante o voo, mas a energia em suas baterias tem que vir de algum lugar. Para esta viagem, Beta diz que eles conseguiram recarregar a aeronave usando suas próprias estações de carregamento em quatro locais, incluindo seu aeroporto de partida de Plattsburgh, Nova York. (Outro carregador está localizado em Bentonville, Arkansas.) Em outros locais, eles contavam com um gerador móvel que pode queimar combustível fóssil para fazer eletricidade. “Tentamos minimizar isso, mas sim, temos essas provisões, e usamos neste voo”, observa Clark.

Ferrier, um dos dois pilotos de teste, diz que uma questão de dirigir onde e como eles cobraram foi o desempenho da aeronave, que ele diz ter superado suas expectativas. “Nossa rede de carregamento foi realmente espaçada por um pouco menos de alcance do que estamos fazendo atualmente”, diz ele. “O avião está realmente superando a rede de carregamento — então poderíamos ter usado mais de nossas próprias cargas, mas acabamos com um avião melhor do que esperávamos, e então tivemos que pular algumas das cargas.” Resumindo: voos mais breves teriam permitido que eles utilizassem mais de seus carregadores estacionários em vez de sua solução móvel.

“A rede de carregamento é uma coisa em evolução, e a cada semana temos mais carregadores online”, acrescenta Clark.

Autorização da FAA para realização do voo entre estados

A permissão para essa viagem entre Estados — a aeronave voou por seis estados no total — veio na forma de um certificado de pesquisa de mercado da FAA. Não é o voo mais longo dos livros para uma aeronave elétrica: entre 2015 e 2016, um avião movido a energia solar circulou pelo mundo.

Foco no transporte curto de cargas.

O CEO da Beta diz que o “ponto de lançamento” para seus negócios é começar com foco em voos para carga e logística que se estendem por cerca de 240 km de comprimento. “E nós apenas fomos e provamos que você pode fazer isso, e você faz isso uma e outra vez”, diz ele.

A princípio a Beta não pretende operar sua própria companhia aérea de carga ou passageiros; em vez disso, planeja fazer a aeronave em si para que empresas como a UPS possam usá-la para transportar mercadorias.

Por enquanto, o avião elétrico Alia da Beta Technologies após voar pouco mais de 2200 km, permanece no Arkansas. Ficará em um evento chamado UpSummit, e então eventualmente voará de volta para o Estado de Nova York, só então saberemos se as pernas de voo se repetirão ou se será menor.

Veja mais sobre o voo da aeronave elétrica Aila entre o Estado de Nova York e Arkansas, abaixo.

Compartilhe este artigo
Deixe um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

adbanner